SET
11
ÉGUAS BHs EM BUSCA DA VAGA OLÍMPICA PARA TÓQUIO 2020

As duas éguas da criação Nacional Zambia e Magnólia Mystic Rose após participarem dos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, foram as primeiras da criação nacional a conseguirem o certificado de elegibilidade para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 com os cavaleiros Diego Vivero (Equador) e Juan Andrez Rodrigues (Guatemala), respectivamente.

Nesse momento os países já qualificados para os JO são: Japão, Estados Unidos, Suécia, Alemanha, Suíça, Holanda, Austrália, Bélgica, Grã-Bretanha, França, Ucrânia, Israel, Brasil, México, Canadá, Nova-Zelândia e China. E estão em aberto três vagas para os países nas seguintes condições: duas vagas, no máximo 6 atletas, para o Grupo F da FEI e 1 vaga para o país, sendo no máximo três atletas, melhor ranqueado na Final da Copa das Nações de Barcelona, excluindo-se os países já qualificados.

Nesse caso, até o presente o Equador e a Guatemala estariam fora dos critérios de qualificação, não fazendo-se considerar a elegibilidade dos conjuntos formados com as éguas BHs.

Portanto, o criador e proprietário da Zambia e Magnólia Mystic Rose, em busca do sonho olímpico, optou em recomeçar os passos rumo aos Jogos Olímpicos, fazendo parceira com dois cavaleiros de países já qualificados.

 

Magnólia Mystic Rose com Eduardo Menezes

 

Lembrando que independente dos países estarem qualificados os conjuntos que farão a representatividade da nação não estão definidos e ambos terão que passar por novas provas a fim de preencherem, em conjunto, os requisitos de elegibilidade.

A partir de agora Zambia Mystic Rose será vista nas competições internacionais com o experiente cavaleiro de Israel, Alberto Michan, 5º colocado nas Olimpíadas de Londres, enquanto Magnólia Mystic Rose será conduzida pelo brasileiro, medalhista de ouro pan-americano,  Eduardo Menezes.

 

Alberto Michan já com a camisa do Haras Rosa Mystica